Autismo e a Terapia Ocupacional
5 de abril de 2022
Meningite, aumento de casos preocupa 
24 de abril de 2022

Dia Mundial da Conscientização da doença de PARKINSON 

Woman with parkinson sitting in wheelchair in hospital room during medical examination. Man with disabilities ,walking frame sitting in hospital bed. Health care system, clinic patients.

Começamos este texto com duas boas notícias: a primeira é que a Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz  – vinculada ao Ministério da Saúde,  agora possui autonomia para produzir o medicamento Pramipexol, eficaz no tratamento da Doença de  Parkinson (DP). A segunda, é que há mais de 800 estudos clínicos sendo conduzidos no mundo, com o objetivo de entender os mecanismos e possíveis procedimentos e pelo menos, 150 medicações, em avaliação.

A doença, descrita por James Parkinson em 1817, é degenerativa , crônica e progressiva. O distúrbio, que atinge mais homens do que mulheres, provoca a perda de neurônios do sistema nervoso central, afeta o movimento e muitas vezes inclui tremores de repouso. Não existe cura,  porém o problema pode e deve ser tratado, combatendo os sintomas e retardando o seu progresso. 

Dados atuais da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que aproximadamente 1% da população no mundo, com idade superior a 65 anos, têm a doença, mas há relatos de casos nas faixas etárias entre 40 e 50 anos. Ainda segundo a OMS, no Brasil, estima-se que 200 mil pessoas sofram de Parkinson.

A ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL DA DOENÇA DE PARKINSON

A (DP) compromete a parte motora dos indivíduos e dificulta as atividades cotidianas. Caracteriza-se por tremores, rigidez, desequilíbrio postural e lentidão de movimentos. 

O terapeuta ocupacional vai avaliar o ambiente domiciliar (escadas, pisos com desníveis e escorregadios) e analisar as possibilidades de mudança e adequação, buscando mais acessibilidade e segurança domiciliar.

Destacamos outras  importantes intervenções feitas pelo TO: 

– as adaptativas: para a redução dos efeitos do tremor como indicação de talheres adaptados, apoios antiderrapantes, adaptações para a escrita, para higiene pessoal e para o uso de copos; entre outras.

 – de auxílio no controle da habilidade e coordenação manual, por meio da realização de atividades de interesse do paciente;

 – de avaliação e recomendação da Instalação de equipamentos de segurança em casa: barras de apoio no box do chuveiro e nos corredores; 

 – de alteração do mobiliário: a altura de cadeiras, sofás, poltronas, cama, assento sanitário, que precisam estar adequadas às necessidades do indivíduo; 

 – na estimulação para a realização de atividades sociais; e técnicas de conservação de força e energia para prevenir a fadiga. 

Vale ressaltar que, o terapeuta ocupacional, também vai atuar nos aspectos emocionais do paciente pois a (DP), envolve depressão e autoestima, levando o indivíduo com o problema a se sentir envergonhado, constrangido e inferiorizado. 

INTERVENÇÃO ASSISTIDA POR ANIMAIS

A Terapia Ocupacional pode explorar vários recursos no tratamento da Doença de Parkinson mas um deles vem chamando a atenção dos estudiosos : a Intervenção Assistida por Animais (IAA). Durante as sessões, o paciente interage com gatos, cães, coelhos, tartarugas, chinchilas e até cavalos, e têm seus sentidos táteis, visuais, olfativos e auditivos, estimulados.

Um ótimo exemplo vem da Associação Paranaense dos Portadores de Parkinsonismo (APPP), em Curitiba. Mensalmente, a entidade realiza o projeto “ Amigo Bicho “, em instituições – hospitais e escolas especiais – que tratam pessoas com diversas patologias, entre elas o Parkinson.

DIAGNÓSTICO PRECOCE

A Doença de Parkinson (DP) ainda é de difícil detecção em sua fase pré-clínica ou pré-motora, mas segundo os neurologistas, já existe a possibilidade do diagnóstico precoce e até mesmo de sua confirmação, com o exame de Cintilografia Cerebral. O fato é que, quanto antes o problema for diagnosticado, mais fácil será o seu tratamento, sendo  essencial ficar atento aos primeiros sintomas, como mudanças na forma de caminhar, perda de expressão facial e diminuição do volume da voz. Lembrando que, o terapeuta ocupacional junto a uma equipe multiprofissional, vai promover o resgate em todos os aspectos da qualidade de vida do portador de Parkinson.

Gostou do artigo ? Acompanhe nossas publicações, faça sugestões ou críticas pelo nosso site – walkyriato.com.br

#parkinson #terapiaocupacional #tremor #neurologia #diagnostico #cerebral #terapia #OMS #mundial #cura #idosos #estimular #qualidade de vida

Referências : bvsms.saude.gov.br/ | agenciabrasil.ebc.com.prosaude.org.br/noticias/ | coffito.gov.br/ | sbgg.org.br/ | ccf.org.br/ | unifesp.br/ | crefito14.org.br/ | uol.com.br/vivabem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

English EN German DE Portuguese PT Spanish ES
Posso ajudar?